Levis Litz entrevista a viajante Vera Freitas

O Caminho de Santiago

Conhece a ti mesmo e conhecerás o universo” diz a máxima. “A viagem mais importante é a que fazemos para dentro de nós”, revela Vera Freitas, professora de biologia aposentada. Ela levou vinte e oito dias para percorrer a pé os 780 quilômetros do Caminho de Santiago: um caminho de fé que é o sonho de muitos, mas realidade apenas para alguns.


Vera Freitas



LL - Como foi a preparação para andar a pé num trajeto tão longo?
 Vera Freitas – Foram meses de preparação: compra da bota para a caminhada, mochila, saco de dormir e treinamento físico. No início, as caminhadas de preparação eram tímidas, depois fui acelerando em distância e freqüência. Ia a pé para o trabalho quase todos os dias, ia ao parque Barigui, em Curitiba, nos finais de semana e quando podia fazia as trilhas de cachoeira em Itapoá, SC, caminhava pelos cânions e outros lugares, até que chegou o dia da partida.

LL - Quando foi o início da caminhada?
Vera Freitas – Parti de Curitiba sozinha, no dia 27 de abril. Fiz escala em São Paulo e Madri e ao chegar ao aeroporto de Pamplona encontrei, por acaso, alguns brasileiros, onde dividimos uma van e fomos até Saint Jean Ried-Port, na França. Foi na manhã do dia 29 de maio que iniciei minha jornada, optei pelo caminho tradicional: a Rota de Napoleão, assim denominado porque ali as tropas de Napoleão passaram para invadir a Espanha. Aquela trilha, que já tem mil anos como caminho de peregrinação, foi percorrida por soldados de Carlos Magno e outros.

LL - O que você viu no trajeto?
Vera Freitas – Atravessei as terras dos Pirineus, na França, até a Galícia, na Espanha, passando por oito províncias e encontrando ermidas, refúgios, fontes, cruzes, velhas pontes, construções religiosas de importante valor histórico, até chegar a Santiago de Compostela, cidade do apóstolo Thiago, irmão de João Evangelista, filho de Zebedeu e de Salomé, santo padroeiro da Espanha. A cidade foi considerada em 1985 pela Unesco como Patrimônio da Humanidade e o primeiro itinerário cultural europeu.

LL - Quais foram as suas impressões?
Vera Freitas – Não vi o Caminho de Santiago como uma provação, um sacrifício ou mesmo exercício de disciplina. Vi mais como um grande desafio, uma celebração feliz e literalmente uma festa. Era uma alegria, ao final do dia reencontrar os caminhantes do início da manhã, da madrugada do dia anterior ou de alguns dias atrás: velhos e novos conhecidos, gente de todas as partes do mundo (europeus, canadenses, americanos, brasileiros, australianos, neozelandeses) e brindar durante a ceia pela etapa vencida naquele dia. Descobri, enquanto caminhava em silêncio ou em conversa com outros peregrinos, ou no diário que escrevi todas as noites, às vezes com a luz da lanterna, pois a luz apaga cedo nos refúgios, que eu ia me defrontando com meus medos, dúvidas, questionamentos, fantasias e, principalmente, com as lições do caminho.

 
LL - Quando se caminha tantos quilômetros, 780 no seu caso, a tendência é querer chegar logo no fim. Conte para a gente como você superou uma jornada tão longa?
Vera Freitas – Na verdade, o melhor é ter em mente que se deve dar um passo de cada vez, um dia de cada vez e que a vida é hoje. Peregrino significa aquele que cruza os campos, então caminhar é o que nos torna peregrinos e chegar a Catedral de Santiago de Compostela, no fim da caminhada, torna-se um objetivo aparente. A viagem geográfica (em si) é a menos importante, o caminho sagrado também, porque penso que todo o planeta é sagrado. A viagem mais importante é a que fazemos para dentro de nós, o que torna os caminhos longos e afastados do nosso dia, perfeitos. Ao nos tornarmos peregrinos, nos desapegamos de muitas coisas e descobrimos que os valores essenciais são poucos e que estão ao alcance de todos nós. Para percorrer o caminho e empreender transformações, também são fundamentais a coragem e a determinação, mas acima de tudo, a fé. Esta, diz o ditado, é capaz de remover montanhas.

----------------------------------------------------------------------------------------

Comente esta entrevista aqui ou em: fotoserumos@gmail.com ou levislitz@hotmail.com  

----------------------------------------------------------------------------------------

Quer ver mais entrevistas? Visite: Fotos e Rumos ( http://www.fotoserumos.com/)

Comentários

  1. Mensagem no FaceBook de Vera: "Está muito legal o Fotos e Rumos, em especial as informações e fotos do caminho de Santiago, meus amigos caminhantes também curtiram."

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Canon lança no Brasil lente EF 24-105mm f/3.5-5.6 IS STM

Bob Wolfenson, um dos maiores nomes da fotografia de moda, expõe em Curitiba

Lendário grão-mestre de artes marciais virá ao Brasil